sábado, 18 de janeiro de 2014

Sóis chuvas & Romas

Eu não nasci em Roma. Tenho documentos que comprovam. Dizem que a morte é a única certeza da vida. Mentira. Eu não nasci em Roma. É bom começar o dia assim, quebrando uma verdade inquestionável. Mas, eu nem iria escrever sobre isso. Mas saiu.
Pequenos passeios nas tardes de meados de semana. Sol quente, ar fervente. Carros se atropelam e se batem pra decidir quem é mais rápido,
melhor e mais macho. Vendedores de caldo de cana, com vários sabores. Meu preferido é o de limão. As barracas de churros ainda não abriram. Se estivesse frio estariam abertas com o doce inserido no centro da crosta crocante. Sorveterias servem sorvetes, daqueles gelados. Pessoas quase nuas e com banhos vencidos fazem filas com suas casquinhas. Águas engarrafadas escoam como bala de troco. Agora os mercados tiram os bebedouros de suas entradas pra poderem vender as garrafinhas no verão. Aumentam as vendas e a insatisfação do cliente fiel. "Hey, havia um bebedouro aqui". - "O gerente mandou tirar, dona". Se fosse inverno, sorveterias teriam menos sorvetes e mais fondues, caldos, sopas. O que está no céu pode dizer o que você quer comer.
Quando chove, a rua fica sem dono. Ninguém quer se exibir, se ostentar. Todo mundo acaba ficando molhado e a propaganda não é a melhor. Pontos de ônibus e marquises furadas se tornam o que existe de mais confortável perante a água que desaba.  Os carros seguem interrompendo enxurradas e molhando pedestres que desafiam o asfalto cheio de corrimentos pluviais e pneus escorregadios. É quase uma roleta russa onde ou você molha ou morre. Quem não se importa são os cachorros, que naturalmente cheiram cachorro molhado. Estão em casa.
Mas é sério quando eu digo que não nasci em Roma. Nasci nas Minas, onde não tem coliseu mas tem quiabo com frango. Não tem piazzas mas tem praça bonita com coreto. Pipoqueiro e bancos pra sentar. Não tem as luzes de Roma, os bares, pizzas e aquele ar milenar que adormece na cidade eterna. Cada lugar tem sua beleza e sua identidade que passa a ser nossa quando vemos e nos apaixonamos. Não sei até que ponto carregamos conosco o que somos. Talvez sempre, talvez nunca. Quem nasce em Estocolmo e vai embora no dia seguinte pra Colômbia só é sueco no papel. Vai carregar consigo um nome estrangeiro e uma cultura que vive sem ter nascido no seu centro. Somos reflexos de onde somos e de nossa rotina.
Seja no calor, no frio ou em Roma. Seja onde for.

5 comentários:

amandaneres disse...

Adorei o blog, blogs inteligentes são sempre bem-vindos!

Jain Nath disse...

This post is a very apt about your blog. Wonderful language and detailed presentation. We like this mode of presentation. Please visit Jewellers in Trivandrum. This is a collection of all Trivandrum City Information. A complete guide for all kinds of people. Visit and say your comments.

Jain Nath disse...

This post is a very apt about your blog. Wonderful language and detailed presentation. We like this mode of presentation. Please visit Jewellers in Trivandrum. This is a collection of all Trivandrum City Information. A complete guide for all kinds of people. Visit and say your comments.

Manuel Carvalho disse...

http://migre.me/iltyx

Manuel Carvalho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.